O shiitake e a ervilha torta

Estima-se que existam cerca de 3.500 tipos de cogumelos em todo o mundo, incluindo os venenosos, os alucinógenos, os ornamentais, os comestíveis e os medicinais. Desses, calcula-se que 2.000 espécies sejam potencialmente comestíveis, embora não mais do que 25 sejam cultivados comercialmente.

Durante muito tempo, cogumelo pra nós aqui no Brasil era aquele que vinha em conserva, em vidros, e a gente colocava no estrogonofe. Nada contra os cogumelos em conserva. Muito menos contra o estrogonofe. Mas com tanta variedade de cogumelos frescos hoje em dia à nossa disposição, achei que seria legal colocar uma receita bem simplezinha, barata, fácil de fazer e que com certeza vai agradar a gregos e troianos, ou carnívoros e vegetarianos.
Escolhi o shiitake, o segundo cogumelo comestível mais consumido no mundo, natural do leste da Asia, onde é conhecido como alimento há mais de 800 anos, e que só começou a ser cultivado entre nós na década de 1990. Saboroso, carnudo, o shiitake se presta a várias preparações.
Aqui eu escolhi uma preparação que junta o cogumelo com outro vegetal, que me traz recordações da infância: a ervilha torta. Também um dos alimentos mais antigos de que se tem notícia, e também natural do continente asiático, a ervilha torta não perde a crocância, mesmo depois de cozida. Minha mãe costumava prepará-la com molho de tomate, refogada na cebola. Uma delícia inesquecível.

E para completar o prato preparei um arroz de 7 grãos, só com água e sal, depois de refogá-lo rapidamente no azeite. Ficou muito bom. Aí vai a receita:
 Cogumelo shiitake com ervilha torta e arroz 7 grãos.
Coloquei o arroz para cozinhar primeiro, pois o 7 grãos demora um pouco mais do que o arroz branco. Para 2 pessoas, tostei 200 gramas de arroz no azeite e derramei a água salgada quente em cima. Foram 600 ml de água, ou seja, 3 vezes mais do que a quantidade de arroz. Leva uns 40 minutos para ficar no ponto que eu gosto, e que os italianos chamam de “ai ferri”, ou seja, meio durinho. Usei o arroz Multigrãos, da Blue Ville. Mas pode usar o que você quiser, desde que tenha arroz integral na composição.
Enquanto o arroz cozinhava, preparei o shiitake e a ervilha. Fiz assim: tirei os cabinhos do shiitake, Usei uma bandeja, dessas que a gente compra no supermercado. De ervilha torta também foi uma bandeja. Coloquei uma colher de sopa de manteiga numa frigideira antiaderente. Quando a manteiga derreteu, acrescentei o shiitake a a ervilha, juntos. Refoguei na manteiga por 2 minutos e acrescentei 100 ml de shoyu. A quantidade de shoyu depende de você, mas 100 ml é o mínimo. Não coloquei sal, pois o shoyu já é salgado. Misturei bem, até que os vegetais incorporassem o shoyu. Tampei a frigideira e cozinhei por 30 minutos.
Pronto, aí foi só montar o prato. Você pode servir com vinho branco leve, apesar do shoyu, ou, se gosta de cerveja, uma ale, que fica muito bom. Se você não quer álcool, esse é um dos poucos pratos que vão bem com suco, como maracujá, por exemplo.
Bom apetite!
19 de setembro de 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.