O personagem

 

size_810_16_9_cesta-lixo-2Essa história estava muito mal contada. Ele nunca estivera num boteco infecto. Nunca ficara num banquinho escondido lá no fundo do balcão, bebendo rabo-de-galo, esperando por uma mulher que nunca chegava. Muito pelo contrário. Frequentara a boca do luxo, era recebido como um príncipe no La Licorne, se envolvera com mulheres que dariam tudo, se é que não deram, para tirá-lo da noite e levá-lo, se não ao altar, pelo menos a uma quitinete no Edifício Copan. Nunca bebeu rabo-de-galo, quer dizer, lembrava apenas de uma vez, quando foi parar num cortiço lá pelos lados dos Campos Elíseos, visitando uma tia às portas da morte, e não pode recusar a bebida, oferecida pela prima, motivo real da visita, com quem acabou passando a noite num drive-in na avenida do Estado. Na verdade ele não abria mão do champanhe, nas noites em que a roda de pôquer, lá no Glicério, lhe era generosa. Como quando um dos jogadores fechou uma quadra de ás e ele, numa daquelas jogadas malucas de fim de noite, encheu a mão e a alma com um street flash até rei, e ainda por cima de ouros. Naquela madrugada as meninas do La Licorne, em volta da sua mesa, se afogaram numa outra dama francesa, La Grande Dame…

Esse idiota que está contando esta história não sabe nada da minha história, eu é que sou o personagem, ele não sabe nada do que está contando, acho melhor parar com isso, eu não vou aceitar essa avacalhação com a minha imagem, com rabo-de-galo num boteco infecto, esperando por uma mulher que não vem, como se eu precisasse disso, eu, o príncipe do La LIcorne…

Ouviu o papel sendo arrancado da máquina, com raiva. O que será que está acontecendo? Sentiu o papel sendo amassado. Espera aí, vamos conversar. Também não sou intransigente. Para com isso..

O papel virou uma bolota. Ele sentiu sufocar, sem espaço, como se seu mundo estivesse acabando. Teve a sensação de que estava voando. Em seguida parou, como se batesse em algo sólido. Dentro da bolota de papel, sufocando, sem espaço, sem boteco, sem balcão, sem champanhe, nem sequer um rabo-de-galo, pode ouvir o que, para ele, soou como uma sentença de morte:

Não sei o que fazer com esse personagem. Não rendeu. Amanhã acabo com ele…

 

19 de outubro de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *