Almoço caipira na casa do Bob

Sempre que alguém me pergunta o que é que eu ando fazendo, respondo, todo prosa: “Eu tenho um blog!”. E aí vem a pergunta inevitável: “Sobre o que é o seu blog? “. E é aí que eu me embaraço todo. Sobre o que é este blog, caro leitor, caríssima leitora? Alguém mais apressado responderá que é sobre culinária. Afinal, eu vivo dando receitas dos pratos que eu preparo. Alguns queridos e queridas que superestimam o que eu escrevo poderão responder que é sobre gastronomia. O que, definitivamente, não é, pois não tenho autoridade para falar sobre um assunto tão importante do qual eu não passo de curioso contumaz e estudioso esporádico. Então, cara pálida, do que é mesmo este blog?
Vamos voltar ao começo de tudo. O primeiro post do blog, “A teoria do privilégio”, termina assim:
“Vamos falar de comidas, bebidas, amizades, lugares, atitudes, enfim, de situações e momentos que nos dêem a sensação de sermos privilegiados.”
Então acho que não seria despropositado, ou pretensioso demais, dizer que o blog é sobre a vida. Ou sobre a minha experiência de vida. O que, definitivamente, o torna um relato absolutamente pessoal. E é isso que, acho eu, deve fazer a diferença. Tudo o que eu escrevo aqui tem a ver com a minha experiência. Seja quando eu falo de um prato, de um filme, de um livro. Não posso dar uma receita de um prato que eu não fiz. Para isso existem inúmeros blogs, esses sim de culinária, que tem receitas de tudo quanto é prato. Como não posso falar de um livro que não li, de um filme que não vi, de um lugar onde não estive.
Talvez a percepção de que Vivendo com Gosto seja um blog de culinária venha do fato de que eu vivo cozinhando e dando receitas. Tudo bem. Nada contra. Adoro quando as pessoas reproduzem as receitas com sucesso. E se isso ajudar a reunir os amigos em volta da mesa, adoro mais ainda. E se o encontro com os amigos for uma lembrança maior do que o prato, aí sim, o objetivo foi alcançado.
E o que é que isso tem a ver com o tal almoço caipira? Tudo. O almoço aconteceu na casa do meu amigo Bob Figueiredo, em São Francisco Xavier, lugar encantado onde costumo passar meus fins de semana. Bob mora em São Francisco Xavier há 10 anos. Bob foi um publicitário de sucesso, diretor de atendimento de importantes agências. Hoje ele vive numa casinha simples, caipira. Onde recebe os amigos, sempre em volta de uma boa mesa. Bob é um cozinheiro experiente. Mas a cozinha é só um pretexto para estarmos juntos. Essa receita de almoço caipira que vou dar para vocês só faz sentido se servir de pretexto para reunir os amigos. É uma receita banal, embora deliciosa. Mas quando, lá na frente, lembrarmos desse almoço caipira, provavelmente não vamos lembrar da receita. Lembraremos do prazer de estar juntos, num desses privilégios que a vida nos oferece, e que nem sempre a gente percebe…
Almoço caipira na casa do Bob
Corte o peito e a sobrecoxa de um frango caipira em cubos. Corte 6 batatas grandes em cubos. Corte 6 cebolas roxas em pedaços. Corte 6 tomates em pedaços. Corte um pedaço de bacon em pedaços bem pequenos. Misture tudo numa travessa que possa ir ao forno. Tempere com azeite, pimenta do reino, alecrim, folhas de louro, sal e limão cravo. Cubra com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido a 100o por 2 horas. Tire o papel alumínio, aumente a temperatura do forno para 200o, e deixe até dourar. Sirva com arroz e feijão. Dá para até 6 pessoas, dependendo da fome. Para acompanhar, esqueça o vinho. Estamos falando de um almoço caipira. Sirva com uma cachacinha e cerveja de garrafa estupidamente gelada (sei que os especialistas em cerveja, quase tão intolerantes quanto os especialistas em vinho, vão torcer o nariz…).
Bom apetite!
23 de julho de 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.