A pimenta rosa e o talharim nero

E de repente a pimenta rosa virou moda. Está em todo lugar: virou nome de restaurante, lingerie, motel, blogs, enfim, até na caipirinha colocam pimenta rosa. Recentemente a revista Veja, numa matéria sobre pimentas, colocou a pimenta rosa como uma variedade da pimenta do reino. Então vamos logo esclarecer esse assunto. Pimenta rosa não é pimenta. Muito menos do reino.
A pimenta rosa nada mais é que o fruto seco da aroeira, ou arrueira, nome popular de várias especies de árvores da família Anacardiaceae. Mais precisamente da Schinus terebinthifolius Raddi, popularmente conhecida como aroeira-mansa, ou aroeira-vermelha, ou ainda aroeira-pimenteira.
A pimenta rosa não tem picância nenhuma, só um sabor levemente adocicado e agradável, mas que, se usada indiscriminadamente, em vez de acrescentar sabor acaba destruindo a harmonia do prato ou da bebida. Alias, como tudo nada vida.
Tem gente que não gosta de pimenta rosa. Ou então, de tanto vê-la pela frente, acabou enjoando. Eu adoro e uso bastante, principalmente com peixes e frutos do mar. Além do sabor, ela funciona também como um elemento de decoração. Este prato da foto, por exemplo, facílimo de fazer, é um talharim al nero de seppia com camarão e pimenta rosa.
Nero de seppia? Já explico: nero de seppia nada mais é que a tinta negra que a lula carrega numa bolsa. Na Itália, é comum usar essa tinta na confecção de vários tipos de pastas para tingi-las de negro. O efeito é muito mais visual do que no sabor. Eu costumo usá-la com frutos do mar, como na receita abaixo.
Talharim al nero de seppia com camarão e pimenta rosa
Neste prato, para 5 pessoas, usei 500 gramas de pasta, 1 quilo de camarões grandes, 2 latas de creme de leite light, 2 pacotinhos de zaferano, 1 copo de vinho branco, 2 colheres de sopa de azeite extra virgem para refogar, pimenta rosa a gosto. Sal a gosto. Eu uso creme de leite light em lata porque acho que fica mais leve. Mas você pode usar creme de leite fresco, se preferir.
Vamos à execução: refoguei os camarões no azeite numa panela, pode ser frigideira, grande, pois a pasta, depois de cozida al dente, será misturada ao molho nessa panela ou frigideira. Quando o camarão ficou rosado dos dois lados, acrescentei o vinho. Deixei evaporar por não mais do que 1 minuto. Em seguida acrescentei o creme de leite e o zaferano.
Continuei mexendo, para o creme de leite não talhar. Enquanto preparava o camarão, a pasta já estava cozinhando numa panela apropriada com muita água salgada. O camarão não deve cozinhar mais do que 6 minutos no creme de leite, se não perde a textura macia. Nesse ponto acrescentei a pimenta rosa ao molho, corrigi o sal (com cautela, pois a água do macarrão já está salgada) e despejei a pasta al dente na panela do molho. Misturei bem para que os ingredientes do molho se incorporassem à pasta. Pronto. Servi em pratos individuais.
E o vinho para acompanhar? Outro dia me perguntaram se eu falava de “harmonização” aqui no blog. Não gosto da palavra. Acho que é só mais um termo inventado pelos “especialistas” para elitizar o consumo da sagrada bebida. A única harmonização que eu respeito é de pastel com caldo de cana. A minha recomendação é que, como usamos vinho branco na preparação, você sirva com um bom vinho branco, levemente frutado, como um torrontés, ou um sauvignon blanc.

Bom apetite!

7 de julho de 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.