A noite do nhoque

Cozinhar é um ato de amor. Não tem nada a ver com vaidade. Não estou falando de cozinhar profissionalmente. Se bem que os grandes chefs certamente compartilham essa opinião. Se não, não seriam grandes chefs. Estou falando de cozinheiros amadores como eu.
Seja cozinhando para a Mari, minha mulher, companheira e inspiração, seja para amigos queridos, o importante é o ato, mais que o resultado. Se bem que, com amor, carinho, amizade, o resultado costuma ser muito bom.
Foi o que aconteceu na noite que dá título a este post, a noite do nhoque. Depois de muitas idas e vindas, conseguimos reunir um grupo de amigos que não se reunia há muito tempo. E a proposta era deveras tentadora: Jorge Martinez, meu amigo, iria fazer o nhoque, uma de suas especialidades. E eu faria o ragu de músculo, que já fiz mais de mil vezes, mas que é sempre um desafio.
Mas o que transformou a noite num acontecimento inesquecível, além da companhia incomparável dos amigos, foi que todo mundo participou. Acho isso o máximo. Todos, de alguma maneira, contribuíram para o resultado final que, modéstia à parte, ficou divino. Não sei se foi pelo adiantado da hora, pelas taças de vinho consumidas no processo, pelo prazer da companhia, não sobrou nada!
A confecção da massa do nhoque tem inúmeras receitas, inclusive na Itália. Tem até nhoque sem batata, seu ingrediente principal, como o nhoque romano, de semolina, ou a invenção napolitana, de ricota. A receita que vem a seguir, a que fizemos, é do nhoque clássico, de batata e farinha de trigo, com alguns acréscimos creditados à criatividade do Jorge. É sempre bom lembrar que a consistência do nhoque depende das proporções de batata e farinha. O que fizemos é mais consistente, do jeito que eu gosto. Se você preferir um nhoque menos consistente, mais mole, deve diminuir a medida de farinha de trigo. Passo a palavra ao Jorge para a receita do nhoque:
Ingredientes:
•                1/2 kg de batatas comuns (lavadas)
•                1/2 kg de batatas tipo asterix (rosa)
•                300 g de farinha de trigo
•                1 colher sopa de manteiga
•                2  colheres de chá de sal
•                Pimenta do reino a gosto (sem exagero)
•                Noz moscada a gosto (também sem exagero)
•                1 colher de sopa de queijo ralado
Modo de fazer:
Cozinhar as batatas, de preferência com casca, até que estejam bem cozidas. Observe a casca rachar. Descascar e espremer como para fazer purê. Faça isso numa tábua para amassar, ou, na falta de uma, na pedra da pia. O frio da pedra ou a madeira da tábua ajudam a esfriar e eliminar a água excessiva da batata.
Espalhe a batata espremida e coloque sobre ela todos os ingredientes, menos a farinha. Quando a batata estiver levemente morna, comece a colocar a farinha, aos poucos, e a misturar e amassar com a batata e o resto dos ingredientes. A medida que a farinha for sendo incorporada, tente reparar na textura da massa. Ela deve ficar o mais macia possível, mas deve ser possível fazer um cordão ou “salsicha” com ela, enrolando com os dedos sobre a superfície onde esteja amassando. Para fazer o cordão, retire uma porção do tamanho de um punho da massa por vez. Utilize farinha nas mãos e na superfície para que a massa não grude ao fazer o cordão. Feito cada cordão, corte em pedaços do tamanho do diâmetro do cordão.
Para finalizar, “passe no garfo” cada nhoque: empurre cada nhoque com o polegar contra os dentes de um garfo. A ideia é deixar os dentes do garfo marcarem o nhoque de um lado e deixar um afundado do lado oposto. Nesta parte, se os amigos ajudarem é mais divertido…
Cozinhe em água fervente abundante e com sal.

Melhor apreciado com um bom molho a base de carne ou simplesmente com manteiga e sálvia.

Como bem diz o Jorge na receita, se os amigos ajudarem fica mais divertido. Foi exatamente o que aconteceu lá em casa.
Esse nhoque fica ótimo servido apenas com manteiga e sálvia, ou com manteiga, parmesão e pimenta do reino.
Para o nosso jantar eu fiz um ragu de músculo, cuja receita você encontra aqui mesmo, no post  “A vida não tem ensaio”.  É só procurar nas matérias anteriores.
Enfim, acho que é isso: juntar os amigos para viver um momento privilegiado.
Boa diversão e bom apetite!
1 de fevereiro de 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.